O mundo está pronto para o fim do Excel?



O mundo está pronto para o fim do Excel?

Frequentemente me deparo, assim como você, com artigos publicados abordando aspectos negativos, erros grosseiros, perigos ocultos, comentando erros cometidos pelo MS-Excel, que em alguns casos, geraram milhões de Dólares (ou Reais) de prejuízo.

Para não ficar somente na retórica, vamos relacionar alguns destes exemplos. E se você acredita que isto é publicado somente por empresas ou por jornalistas sem relevância, vamos começar com um bem famoso.

Artigo publicado na Forbes, em 2013 com um monte de asneiras, alertando que o MS-Excel pode ser o software mais perigoso do planeta (eles esqueceram de informar que o MS-Excel também é o software mais utilizado no planeta...):

https://www.forbes.com/sites/timworstall/2013/02/13/microsofts-excel-might-be-the-most-dangerous-software-on-the-planet/#5a078110633d

Eu já acredito que perigoso é este “jornalista” na frente de um teclado.

Neste outro artigo, publicado pela Big Red Cloud, comenta-se os 7 erros de planilhas:

https://www.bigredcloud.com/7-dangers-of-spreadsheets/

Novamente a questão da utilização de pastas de trabalho sem padrão, com os dados disponibilizados de qualquer forma.

Uma empresa chamada CirrusOps, publica no blog do seu site um artigo intitulado “Os perigos ocultos das Planilhas”:

https://www.cirrusops.com/cirrusopsblog/2017/5/17/the-hidden-dangers-of-spreadsheets

Eles alegam que uma pesquisa realizada, encontraram problemas em 90% dos arquivos avaliados e que em 72% deles apresentavam erros críticos. Desnecessário dizer que esta empresa desenvolve aplicações corporativas e “enxerga” o MS-Excel como uma ameaça aos seus negócios. E que estes arquivos foram feitos por pessoas treinadas por eles.

Neste outro blog, da MRC, outra empresa de desenvolvimento de aplicativos corporativos, comenta os “7 perigos do uso excessivo de planilhas”, que está dividido em duas partes:

https://www.mrc-productivity.com/blog/2014/09/7-dangers-of-spreadsheets-part-1/

Na brincadeira dos 7 erros, o mais divertido foi o erro de número 7, que diz algo como: “Planilhas tornam a análise de dados difícil”.

Deve ser mesmo, uma Pasta de Trabalho criada de qualquer forma, sem regras, cuidados, sem preocupação com produtividade ou a utilização dos melhores recursos que o MS-Excel oferece se converte rapidamente em um Frankenstein.

No artigo eles comentam da Parte 2, mas não vi o link para a continuação do FEBEAPA (Festival de Besteiras que assola as Planilhas, um trocadilho com o título do livro do saudoso Stanislaw Ponte Preta).

Neste outro artigo, da Denizon, outra empresa que desenvolve aplicativos e resolveu criticar o seu principal concorrente, o MS-Excel, com um artigo no blog intitulado “10 principais desvantagens das planilhas”:

https://www.denizon.com/spreadsheets/top-10-disadvantages-of-spreadsheets/

No artigo descrevem o uso de Planilhas como não colaborativo, difícil de solucionar e testar e incapaz de apoiar uma tomada de decisão rápida. Realmente estou começado a acreditar que não utilizam o MS-Excel em Marte.

E o Festival de Besteiras também atingiu a impressa brasileira.

Neste artigo da Computerworld, os ditos “Especialistas” alertam para “riscos no uso do Excel”:

https://computerworld.com.br/2008/03/12/especialistas-alertam-para-riscos-no-uso-do-excel/

A grande frase deste artigo diz: “A Microsoft nunca teve o objetivo de fazer do Excel um aplicativo corporativo”. Não vamos perder tempo em fazer outros comentários sobre este artigo.

Neste outro blog, de uma empresa de CRM (obvio, outro concorrente), o artigo até faz algum comentário positivo sobre o uso de Pastas de Trabalho, mas na sequência, descreve um quadro distorcido da realidade. Deve ser outro marciano:

http://blog.plugcrm.net/o-perigo-das-planilhas-saia-dessa-armadilha/

O site da TecMundo dá destaque para um problema que aconteceu no Japão, ocasionado por erros cometidos na estruturação de uma Pasta de Trabalho:

https://www.tecmundo.com.br/software/136459-planilha-excel-erros-causa-problemas-japao.htm

Novamente um erro de estruturação do trabalho. O artigo inclusive comenta que o Ministro Japonês de Cybersegurança admitiu que nunca utilizou um computador.

Como assim, o Ministro responsável pela segurança cibernética do Japão nunca usou um computador. Isto que é levar segurança cibernética a sério. Deve ser outro marciano.

Neste outro blog, com o sugestivo título: “O mundo está pronto para o fim do Excel?”

https://cio.com.br/o-mundo-esta-pronto-para-o-fim-do-excel/

“Embora não haja nada de errado com as planilhas tradicionais, elas têm enormes limitações quando aplicadas ao trabalho colaborativo de hoje”.

Típica frase de quem não sabe os recursos que o MS-Excel oferece. Mas achei a chamada criativa e resolvi utilizar no título do meu artigo.

Esqueceram de informar a pessoa que escreveu este artigo para o site do CIO.com.br que o mundo irá acabar antes do MS-Excel.

Novamente os marcianos atacando. Existe um grupo de estudos na Europa, intitulado EuSpRIG (European Spreedsheet Risks Interest Group - http://www.eusprig.org/). Eles, inclusive, têm uma conferência anual sobre o assunto (que deve ser feita junto com os terraplanistas!!!).

No site eles apresentam uma lista de problemas ocasionados pelo uso de planilhas e intituladas histórias de terror (sic):

http://www.eusprig.org/horror-stories.htm

Uma leitura na lista e podemos observar que o problema é outro.

“Algumas pessoas são como vinho. Devem ficar guardados no porão e com uma rolha na boca”.

Autor desconhecido

E acredito que algumas pessoas que escrevem sobre o MS-Excel também deveriam ser tratadas desta forma. Principalmente estes europeus que sabem fazer vinho como ninguém. Mas escrevem artigos como marcianos.

Mas tudo isto descrito nestes artigos realmente aconteceu?

Se ocorreu, foi porque faltou treinamento, faltou orientação. Como não sabem utilizar o MS-Excel de forma adequada e eficiente, gastam mais tempo para estruturar o trabalho e com isto falta tempo para analisar o que foi criado, fazer uma dupla verificação ou outros cuidados básicos. não conhecem o que o MS-Excel pode fazer de forma mais eficiente.

Tempo é um artigo de luxo, não podemos comprar, precisamos otimizar. Procure trabalhar de forma mais eficiente com o MS-Excel.

É a mesma coisa que entregar uma carreta carregada com 23 toneladas de café para um motorista sem treinamento e experiência. O que irá acontecer?

Ele irá trafegar na Marginal Pinheiros, em São Paulo, a 105 km/h, em uma via onde o limite é de 60 km/h, e em função de uma manobra inadequada, irá tombar a carreta e causará um prejuízo enorme para milhares de pessoas, afetando ainda mais o já caótico trânsito da cidade.

Estou delirando?

Leia o artigo no link abaixo, ocorrido em São Paulo, no dia 22/out/2019:

https://www.fmetropolitana.com.br/caminhao-tomba-e-interdita-faixa-da-marginal-pinheiros/

Antes de ficar escrevendo asneiras sobre o seu concorrente, faça a lição de casa primeiro. Estude o seu produto, estude o mercado e principalmente, aprenda a utilizar o MS-Excel de forma produtiva e correta.

E depois disto tudo, volte para o seu notebook e tente fazer o seu produto melhor que o MS-Excel.

Ao menos tente.

Assim não vamos precisar de tratar estas “pessoas” como garrafas de vinho...

Obrigado pela leitura do artigo. Ontem à noite tomei vinho (italiano) antes de dormir e acordei inspirado.

P.S. 1: Eu não sabia que o sucesso do MS-Excel causava tanta inveja assim. Vida longa para o MS-Excel.

P.S. 2: O título do artigo não é de minha autoria, está entre aspas, mas achei adequado para chamar a sua atenção para a leitura. E se você chegou até aqui, consegui alcançar o meu objetivo.

P.S. 3: Desde a versão 5.0 do MS-Excel, de 1992, os arquivos gerados são Pastas de Trabalho e não Planilhas, como insistem em escrever nos artigos. Estes marcianos...

P.S. 4: Eu adoro uma garrafa de vinho tinto.

P.S. 5: que saber mais, pesquisa por palavras chaves como: Os perigos ocultos das Planilhas

P.S. 6: P.S. é a sigla Post Scriptum em latim, que significa “escrito depois” em português. MS-Excel também é cultura.

 

Posted on